Call 023 7526 8539 or Make Online ReservationMAKE RESERVATION NOW

Blog » janeiro 2014

Formas de dobrar o guardanapo

Categoria(s): Blog, Dicas

guardanapoIndependente de você estar planejando um jantar em casa ou ir a um restaurante, é importante estar ciente da etiqueta na mesa de jantar quando se trata da colocação do guardanapo. O tamanho mais usado de guardanapos de tecido é 40 x 40 cm. Os modelos de guardanapos de papel só podem estar à mesa em ocasiões mais íntimas e não devem ser levados ao colo, assim como os de tamanhos menores, mesmo que de tecido, usados em cafés da manhã ou chás da tarde.

Confira três dicas de como dobrar o guardanapo e surpreenda ao receber amigos e familiares:

- Para colocar os talheres

  1. Dobre o guardanapo deixando aproximadamente quatro dedos sobrando.
  2. Pegue a ponta que já está dobrada e dobre novamente, ao meio.
  3. Vire do outro lado, e comece a dobrar o guardanapo da esquerda para a direita.
  4. Dobre novamente, você irá dobrar três vezes.
  5. Em seguida, basta você colocar os talheres em uma das divisórias.

- Para colocar uma flor

  1. Dobre o guardanapo ao meio.
  2. Dobre apenas um dos lados no meio novamente.
  3. Vire o guardanapo do lado contrário, e dobre ao meio.
  4. Dobre ao meio novamente. Em seguida, basta colocar uma flor na abertura.

- Pirâmide

  1. Dobre o guardanapo ao meio diagonalmente.
  2. Dobre as pontas juntando-as numa ponta superior.
  3. Dobre o guardanapo a partir de cima até a metade.
  4. Junte as metades no centro e as coloque sobre a base do triângulo.
Leia mais

Cupcakes

Categoria(s): Blog, Bolos, Curiosidades
cupcakesO fenômeno dos cupcakes explodiu na cozinha modera nos últimos anos. Surgiu nos Estados Unidos, no século XIX, e é mais um resultado da eterna busca dos americanos pela conveniência. O cupcake surgiu como uma praticidade, por ser menor, assava mais facilmente nos fornos antigos. Como até o início do século XX não existiam formas de assar pequenas, os bolinhos começaram a ser assados em latas pequenas. O cupcake utiliza uma farinha desenvolvida especialmente para bolos que leva glúten do que a normal. E ao lugar de leite, algumas vezes, utiliza-se a buttermilk.

A base dos cupcakes acaba sendo praticamente a mesma para quase todas as receitas, o que muda é seu sabor e sua aromatização. Os recheios, coberturas e confeitos são um encanto a parte.  A grande diferença dos cupcakes brasileiros para os originais americanos está na textura e doçura. Enquanto os cupcakes americanos tem a massa seca e cobertura muito doce, os feitos aqui acabaram se adaptando ao nosso paladar, com uma massa mais molhadinha, recheios e coberturas não tão doces.
Leia mais

Pratos de verão

Categoria(s): Blog, Dicas

O verão está aí, e com ele muito calor e diversão vêm pela frente. Nessa época devemos tomar bastante cuidado com a alimentação, pois o aumento da temperatura faz com o corpo perca muita água, por isso a ingestão de alimentos leves e ricos em água é muito importante.

Dê preferência ao consumo de frutas, verduras, legumes, cereais integrais, pães integrais e peixes. Faça refeições leves e beba muita água, suco de fruta natural ou água de coco. Evite pratos gordurosos e frituras, o verão estes alimentos podem causar desconforto e mal estar. No caso dos sorvetes, prefira os que são feitas à base de água e polpa de frutas. São mais refrescantes e menos calóricos!

Confira algumas ideias para refrescar o seu verão:

salada-de-frutasSalada de frutas: Além de muito saborosas e refrescantes, a  salada de frutas é muito saudável. Dê preferência para as frutas da estação. Para deixar a salada ainda mais bonita, escolha frutas com o mesmo nível de maturação,  misture frutas de diferentes cores e texturas, corte as frutas de maneira uniforme, use partes iguais de cada fruta. Na hora de servir, você pode polvilhar um pouco de açúcar granulado ou mel. Também são ótimos acompanhamentos: chantilly, iogurte, nuts e granola.

Saladas: Para não enjoar, varie sua salada com alguns acompanhamentos, como croutons, castanhas, frutas, brotos e grãos.

Água saborizada: a grande moda do momento, é uma ótima pedida para o verão. A preparação é muito simples: um litro de água, gelo, fruta de sua preferência (em rodelas e com casca) e uma erva de sua preferência (manjericão, alecrim, hortelã, etc).

 

 

Leia mais

Ingredientes mais caros do mundo

Categoria(s): Blog, Curiosidades

Alguns ingredientes são considerados valiosos por sua baixa produção,raridade, por serem encontrados de forma esporádica ou sazonal em apenas determinados lugares do planeta.

Em ambos os casos, a alta procura por chefs e entusiastas da gastronomia faz com que o mercado fique aquecido e eleve os preços deles. Confira a seleção de 5 ingredientes de valores bem elevados:

trufaTrufas brancas: Mais que as negras, a versão branca destes cogumelos são encontradas na Itália e cresce apenas em determinadas áreas, junto com certas árvores. Encontrada com a ajuda de cães ou porcos (sim, porcos!) farejadores, em eventos que se transformam em verdadeiras festas nos vilarejos, esta iguaria é vendida por preços que variam entre US$ 4 mil e US$ 10 mil o quilo. A trufa branca mais cara do mundo pesava 1,5 quilos e foi arrematada por um comprador de Macau, que pagou impressionantes US$ 330 mil.

Carne Wagyu: Conhecida também como Bife Kobe, esta carne especialíssima é produzida no Japão, justamente em Kobe. Seu diferencial é o tratamento do bovino, que só come grãos, bebe cerveja, recebe massagem e passa os dias ouvindo música. Tudo para que a carne tenha o teor correto de gordura e atinja o melhor sabor e maciez. Preço: US$ 2,8 mil.

Melancia Densuke: Cultivada exclusivamente em Hokkaido, no Japão, esta melancia especial possui uma casca escura e não possui sementes. Apenas 10 mil delas são produzidas por ano, o que aumenta a procura – e o preço. Cada uma delas pode custar US$ 250.

Foie Gras: Odiado pelos ativistas da causa animal, o fígado gordo de pato ou de ganso (este último considerado o mais caro) só é possível porque os animais são alimentados à força, levando o órgão a funcionar no limite. O resultado é um fígado com quase 50% a mais de gordura do que normalmente teria e uma textura amanteigada. Apreciado como aperitivo, o quilo deste alimento custa cerca de US$ 100 por quilo.

Melão Yubari: Outra invenção japonesa. Também cultivados em Hokkaido, eles são semelhantes aos melões cantaupe, mas possuem um formato perfeitamente arredondado e sua pele é mais macia. Também são excepcionalmente doces, o que especialistas acreditam ser resultado do cultivo em solo vulcânico. Nada doce, o preço chega a US$ 13 mil.

Leia mais

Carne seca, carne de sol e charque

Categoria(s): Blog, Curiosidades

Quando se fala em carne seca, charque e carne de sol, fica uma dúvida: qual a diferença entre elas? Salgar a carne para sua conservação é um dos métodos mais antigos existentes, já que não existia como refrigerá-la. No Brasil, as carnes salgadas típicas são resumidas em carne de sol, carne seca e charque. Todas são preparadas com carne bovina, submetida a salga e depois secagem. Mas, como distinguir cada uma delas?

Charque: típico do sul e do sudeste do Brasil, é preparado de modo similar ao da carne seca. O diferencial está na maior quantidade de sal e de exposição ao sol ao qual o charque é submetido, o que lhe garante uma maior durabilidade.
Tradicionalmente, utilizada-se carnes da parte dianteira e ponta-de-agulha do animal em seu processamento, porém também existem variações com carnes traseiras.

Carne de Sol: é um produto tradicionalmente consumido pela população nordestina, já a vários séculos e, via de regra, em seu preparo são usadas carnes bovinas do traseiro (mais nobres e menos gordurosas), como alcatra, contra filé, coxão, etc.
Apesar do nome, ela não fica exposta ao sol e sim, depois de cortada, é ligeiramente salgada (sal fino) e deixada em locais cobertos e bem ventilados. Em dias mais quentes, pode inclusive ser colocada na geladeira, durante sua maturação. A secagem é rápida, formando uma espécie de capa protetora que conserva a parte de dentro da carne úmida e macia.

carne-secaCarne seca: típico do sul e do sudeste do Brasil, é preparado de modo similar ao da carne seca. O diferencial está na maior quantidade de sal e de exposição ao sol ao qual o charque é submetido, o que lhe garante uma maior durabilidade.
Tradicionalmente, utilizada-se carnes da parte dianteira e ponta-de-agulha do animal em seu processamento, porém também existem variações com carnes traseiras.

 

Leia mais